terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Os Jardins das Casas Americanas - O American Dream?



             É muito agradável passar por um bairro americano e ver as casas sem muros ou cercas (na frente) e os gramados que se juntam. Os jardins são muito bonitos e dá uma sensação de tranquilidade, paz, beleza, ordem, etc. Realmente é algo bonito de se ver. Algo que dá prazer. Porém, não dá muito prazer cuidar deles pois o trabalho é interminável. Saiba que cuidar de uma casa que tem jardim em frente e atrás da casa é uma verdadeira batalha contra a natureza onde a segunda é simplesmente incansável, ao contrário de nós. Logicamente é possível pagar um jardineiro, mas se você pertence à classe média como eu, 150 dólares mensais para cortar a grama e mais talvez uns 50 para que a mesma pessoa cuide das plantas dá um total de 2400 dólares anuais. Uma viagem para Europa. Por isso eu prefiro fazer eu mesmo e usar o dinheiro para viajar. Um dia quem sabe, quando eu enricar eu contrate um jardineiro. Quando ficar velho, mudo para um apartamento...

          Vamos por parte para que entendamos o drama. Não me entenda errado, eu adoro a minha frente gramada, as palmeiras, as 12 árvores que tenho na minha propriedade e muitas plantas. Dá prazer cuidar deles, no inverno. No verão é quase uma missão impossível. Já estive perto do desmaio cortando a grama em um calor de 42 graus. 

É agradável olhar pela janela, mas dá trabalho :-)


Cortar a Grama

          Ué, mas aí não tem cortador de grama elétrico? Não, é a gasolina mesmo. Cortador de grama é um bicho perigoso. É preciso força para cortar a grama. Por exemplo, a grama da frente da casa tem aprox 15cm de altura quando cortada. É bem grossa e parece que se está andando na areia. Entre a folha e o solo há uma grossa camada de eu não sei o quê? Pois bem, uma vez o cortador em cima dela, suas rodas afundam e empurrá-lo quando a grama está alta é quase como empurrar uma cadeira de rodas de alguém pesadinho na subida. Imagina fazer isso sob um calor de 40 graus às 5 horas da tarde antes de anoitecer? No verão, é uma vontade de crescer que essa grama tem que não sei de onde vem. Toda semana essa praga cresce pelo menos 10 centímetros. Se passar 2 semanas você não consegue cortar mais. Tem que chamar alguém que tenha um pequeno trator pois o cortador simplesmente não desliza sobre ela. 


O drama...
         E não é só isso caro amigo. Tem o fertilizante que tem que ser passado 1 vez a cada 2 meses, o pesticida, o matador de erva daninha e a coisa não pára por aí. Se não bastasse isso ainda é preciso tomar cuidado quadruplicado para não quebrar uma das cabeças de "sprinkler" espalhados pela grama. Sprinkler system é o sistema de irrigação que tem cabeças que saem do solo e regam a grama 2 vezes por semana que é o máximo permitido por lei em Orlando. Como são enterrados se você pisar neles, passar com o cortador, ou alguém estacionar na sua grama, ele se quebra e é uma encrenca para arrumar. Eu mesmo já cortei 3 cabeças de sprinkler com o cortador de grama e tive que recorrer ao Youtube para aprender a trocá-los. 



           Quando você termina de cortar a grama, exausto, é hora de usar o cortador de edges, o String Trimmer. Para aparar os cantos e lugares onde o cortador não chega. Se trata de uma grande haste com as pontas que tem uma corda de nylon que gira rapidíssimo e é capaz de cortar um planta grossa. Outra coisa perigosa. Na hora de fazer tem que usar calça jeans pois se essa coisa passar na sua perna é capaz de cortar sua pele profundamente. O troço é pesado, barulhento (motor à gasolina também) e tem várias hastes diferentes que podem ser adaptadas para cortar até galhos de árvores, tipo uma pequena serradeira. É um troço difícil de controlar que faz uma sujeira danada pois o que quer que corte voa e espalha por todo lado. E não pense que é só virar as costas, segundo a prefeitura vc não pode deixar na rua. É aí que entra o assoprador. Pensou que tinha acabado?



Há varias "cabeças" que podem ser instaladas
e servem para diversos trabalhos

O correto é usar com sapatos e calça. Com um calor de 40 graus? Uhum!
Se não bastasse a corda de Nylon arrebenta uma 3 vezes por
corte e tem que desmontar para colocar uma nova
          O assoprador é algo que vc usa para assoprar a grama cortada em estilhaços que se espalham pela calçada e pela rua. O meu é elétrico e eu preciso de 3 extensões para chegar até a parte mais distante do quintal na frente de casa. Por observação eu vi o jardineiro do vizinho (morra de inveja) assoprando tudo para cima da grama. Exatamente, não se pode assoprar para a rua, tem que assoprar de volta para o meio da grama. E quando se faz um lado, suja-se o outro, ou bate um vento e tudo volta pra rua de novo. Às vezes dá vontade de atirá-lo o mais longe que dá. 



             Dizem que a grama do vizinho é sempre mais verde que a nossa. Pois bem, a minha grama é a mais verde do bloco tá? Porque quando eu me proponho fazer alguma coisa, não consigo fazer nada menos do que perfeito pois nasci infelizmente virginiano. Tenho minhas tabelas de fertilização, peste, etc tudo anotado. Tenho tempo também agora e cuido pelo menos 3 vezes por semana do jardim. Então quando você ver as casas gramadas dos EUA saiba que, por traz disso, há sangue, suor e lágrimas...e tem que fazer porque se sua grama ficar alta demais além de levar uma multa você pega fama de desleixado e preguiçoso

Esta foto tirei na semana passada após cotar a grama

Árvores

          Não é só grama que dá trabalho. Além disso tem plantas e árvores. Palmeiras são lindas, mas as pesadas folhas que caem e morrem periodicamente têm que ser cortadas ao pé do topo da palmeira. Mais essa? Sim, nesse caso quando já tem várias sempre bate alguém na porta perguntando se quer contratar para tirar. Geralmente com 20 ou 30 dólares eles tiram pra você. Por isso é bom ter dinheiro em casa pois nunca se sabe. A não ser que você queira colocar uma escada enorme na palmeira, subir com uma serra e serrar uma por uma. Se decidir por isso, tenha certeza de ter um ótimo seguro saúde pois se cair da escada, para engessar uma perna quebrada sem seguro saúde são somente 15 mil dólares. 

          Além das palmeiras existem também em casa as árvores. As árvores também precisam ser podadas de vez em quando. E com certeza quando há furacão pois as chances da árvore inteira vir abaixo em um furacão quando não podada é bem grande. No último furacão, caíram pelo menos 2 centenas de galhos pelo quintal e dentro da piscina. Três pessoas demoraram 4 horas para limpar tudo. Doze sacos pretos gigantes cheios de folhas e galhos. E o furacão nem mesmo passou em Orlando e sim a 40 milhas da costa leste da Flórida. 

          Árvores com frutos quase ninguém tem. Se tiver tem que manter sempre limpo na época de frutos se não quiser uma invazão de abelhas, vespas, pássaros e outros animais como gambás, guaxinins, esquilos entre outros. Vira um pandemônio...

           Sabe aquelas piscinas com tela nas casas americanas? As pessoas sempre me perguntam, pra quê serve? Pois bem, sem ela, como é meu caso, é preciso tirar folhas, flores e galhos da piscina quase que diariamente. As folhas entopem o filtro e....bem isso é história para outro posto, nem vou começar rsss.

Veja como fica o quintal e a piscina depois de uma chuva forte...
Até a Elsa ficou desanimada

Pragas

          Há tantas pragas na Flórida que uma ou outra você vai pegar, não tem saída. Quando não é formiga é carrapato, quando não são carrapatos, são pulgas (as piores!), ervas daninhas, outros insetos e cada vez toca ir pro Home Depot comprar algo que dê conta da infestação. Sabe a última lindinha que aconteceu pra mim? Topeiras...isso mesmo, você leu direito, topeiras. Começaram a destruir a minha grama e jardins. Pesquisei e tem até bolinhas que você enterra, elas comem e morrem engasgadas. Que horror! Não quero que elas morram, quero que elas vão para o quintal do vizinho. Comprei um spray que solta um cheiro que elas odeiam. Bom, o cheiro se foi e elas voltaram. Agora preciso passar novamente. 


Fotos de pragas que já tive no quintal
Só me faltavam estas, as topeiras. Olha que graça...

Conclusão

           Eu adoro o meu jardim, minhas plantas, minhas árvores, mas sei que não terei forças para cuidar disso tudo quando tiver 60 anos. De duas uma, ou eu fico rico e pago jardineiros ou terei que me mudar para um apartamento onde a manutenção do jardim está incluído no condomínio.

               Não há dúvida que a qualidade de vida aumenta vivendo em um lugar que tem muito verde. É um colírio para os olhos, mas é um trabalho diário. Um trabalho físico que exige força, tempo e principalmente paciência. Ah, sem falar no dinheiro, porque o que tem de coisa pra comprar não está escrito nos gibis. Esse é o American Dream! ;-)



Ps. Algum problema no Blogger está me impedindo de responder os comentários. Mas o farei assim que tudo se regularize
           

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Animais de Estimação nos EUA

   

       Sempre tivemos cachorros em casa. Nós, os filhos gostávamos, minha mãe nem tanto. O lugar deles era no quintal, faça sol ou chuva, frio ou calor. Cachorro não devia entrar dentro de casa, subir na cama, nos sofás, etc. Eu lembro até hoje como nossos cachorros ficavam alí na porta da cozinha e tinham aquele vontade tremenda de entrar em casa e ficar com a gente. Depois, fechava-se a porta e lá eles ficavam esperando até que abríssemos a porta novamente. Durante à noite, dormiam fora de casa, mesmo em um frio de 9 graus, chuva ou que quer que seja. Até mesmo, às vezes ficavam presos em coleiras. Só de lembrar dessas coisas me dá um nó no estômago e muito arrependimento. Só de pensar como éramos ignorantes com respeito a como se deve tratar um animal de estimação me faz pensar bastante. Um animal que te ama incondicionalmente, que é fiel, leal, só tem olhos pra você e a melhor parte do dia dele é quando ele te vê. Existe um amigo tão leal, companheiro e que te ame mais do que um cão só seu? Eu sinceramente não conheço. Quando vejo moradores de ruas com seus cachorros eu percebo que um cão não vê riqueza, beleza ou status social. Ele vê seu coração e se apaixona por você. É um dos únicos animais de estimação no planeta que tem um amor tão forte pelo seu dono que pode dar sua vida por ele.



             Depois que mudei para os EUA comecei a prestar atenção em como os americanos (em sua maioria) tratam os animais de estimação, principalmente os cachorros e gatos. Por exemplo, sabia você que Nova Iorque é a cidade com maior número de cães por habitante do mundo? Exato, cachorros pequenos e grandes vivem em apartamentos e passeiam algumas vezes por dia. Sim, dentro de apartamentos junto com seus donos e não na lavanderia. Estes provavelmente dormem na cama com seus donos ou têm suas próprias camas, até mesmo os sofás.



             O americano tem um coração mais mole para com os cães do que os brasileiros. Cachorro em quintal, preso a coleira, etc é MUITO mal visto nos EUA. É visto como crueldade e depois de um tempo vivendo aqui eu acabei entendendo que é mesmo crueldade. E parece que a cada ano eu fico pior pois não suporto nem ao menos ouvir histórias de pessoas que maltratam animais. As leis protegem os animais de abuso ou negligência. Se maltratar um cachorro em público, pode até mesmo ser linchado, apanhar no meio da rua. 

             Quem lê o blog sabe que eu tenho 3 cachorros. Annabelle(5), Dexter(4) e Elsa(2). Annabelle e Dexter são Cocker Spaniels e a Elsa (a peidorreira - nossa!) é uma Boston Terrier pura. Dá trabalho ter 3 cachorros e manter a casa limpa. Sim, os cachorros vivem dentro de casa comigo e dormem na minha cama sim. Talvez alguém esteja imaginando "a casa dele deve cheirar cachorro molhado". Na verdade, nem mesmo meus cachorros tem cheiro de cachorro e por que? Porque eles tomam banho todas as sexta-feiras. Vários amigos e clientes vieram a minha casa e soltaram o comentário: "Sua casa não tem cheiro de cachorro!?" Claro, porque eu limpo a casa...
Parte da proibição da minha mãe de ter cachorro dentro de casa é porque ela era obsecada pela limpeza. Porém, ela se redimiu...no final de sua vida teve dois cachorros dentro de casa e depois que eles se foram ela teve 5 gatos que eram os amores dela e ficaram com ela até poucos dias antes de ela falecer no hospital. Agora deixe me dizer uma coisa. Essa obsessão por limpeza é uma idiotísse e não ter cachorros ou gatos por causa disso é perder uma grande chance de não precisar tomar diversos remédios. Existem N estudos sobre isso, é só pesquisar. Ter um animal ensina os filhos sobre amor e responsabilidade.  



             Aqui em casa é assim: Cachorrada no chuveiro na sexta feira e roupa de cama toda na lavanderia. Também a casa é limpa na sexta feira. Desse modo a casa não cheira a cachorro nem mesmo a cama. Também eu mesmo quem faço a tosa, corto unhas e limpo orelhas. A veterinária atende na minha casa (que é o mesmo preço da consulta no consultório) e os medica aqui mesmo em casa. Meus cachorros nunca foram a um Pet Shop. Minha veterinária acredita que é por este motivo que eles nunca ficaram doentes. Mas vamos a algumas diferenças sobre ter um cachorro aqui e no Brasil. 

- Existem vários parques de cachorros em uma cidade. Um dog Park é aonde você leva seu cachorro, solta ele da coleira (geralmente são cercados) e ele brinca com outros cachorros. Eu não levo mais os meus pois sempre que voltavam estavam infestados de pulgas e as "meninas" são alérgicas às picadas. Mas se divertiam muito!



- Para se comprar medicamento específico somente com a receita do veterinário. Não é possível comprar injeções e outros sem que o cachorro seja atendido por um veterinário. Alguns medicamentos estão disponíveis sem receita como anti-pulgas, pomadas para coceira, entre outros.

- Há diversas lojas grandes de animais de estimação como a Petco. Lá se encontra de tudo. Não é comum ver um Pet Shop em cada esquina como no Brasil. Os preços são mais baixos que no Brasil naturalmente, mas mesmo assim eu acho caro essas coisas para animais de estimação. Por exemplo, meus cachorros comem a melhor ração americana que existe, a Instinct. O saco de dez quilos custa 60 dólares. No Brasil, eu pagava 90 reais por uma ração que era ruim, mas era o que eu podia pagar. 

- Nos EUA 95% dos cachorros moram dentro de casa com os donos e são como membros da família. Têm até festa de aniversário.

Bo foi o primeiro cachorro a viver "dentro" da Casa Branca
com a família do ex-presidente Barak Obama

- O americano dorme com seu cachorro na cama. Vê-se muito isso nos filmes. 

- Na Flórida é PROIBIDO UM CACHORRO FICAR MAIS DE DUAS HORAS NO QUINTAL SEM SUPERVISÃO. Alguns brasileiros que moram aqui não sabem dessa lei. E por que é assim?
Por causa do calor extremo, do frio extremo e outros perigos como cobras, guaxinins, jacarés, etc.
Se denunciado, o cachorro é retirado da família e entregue a uma foster family que vai cuidar dele até que ele encontre uma família que se "importe". No verão, quando está acima de 40 graus fora de casa, meus cachorros só conseguem ficar fora por uns 15 minutos depois já pedem para entrar em casa. Todas as casas têm ar condicionado na Flórida. Também na Flórida é proibido acorrentar cães no quintal ou mesmo dentro de casa.

- Abrigos de cachorros podem ter temperatura máxima interna de 85F ou 29.5 graus Celsius 

- Há várias coisas que são consideradas abuso e negligência. Pode ser abuso direto e intencional ou simplesmente negligência. Em ambos os casos o animal sofre terrivelmente. Por isso se souber de algum animal nessa situação é só entrar em contato com as autoridades locais como essa instituição. O dono perde a guarda do cão ou gato e esse vai para alguém que cuide e se importe com ele. Deixar o cachorro no quintal ou mesmo preso na garagem (que pode chegar a 60 graus) é considerado abuso e negligência. 

- Gatos que são considerados "inside cats" (que não irão sair de casa) geralmente têm suas unhas da frente tiradas quando pequenos, especialmente se forem criados com cachorros. Isso previne que eles arranhem os olhos dos cachorros em brigas ou brincadeiras e também para não estragar a mobília. Eu não sei se eu concordo com isso como também discordo de cortar o rabo, as orelhas de cachorros. :(

- Existe também aqui o pet sitter, dog sitter, dog walker, etc. Babás de animais que cobram em torno de 35 dólares por 4 a 5 horas e 70 dólares por dia se tiver que dormir na casa em caso de viagens. Há também hotéis de cachorros para o caso de a família ter que viajar e não ter com quem deixar os animais. Em Nova Iorque é comum ver dog walkers passeando com até 8 cachorros de uma vez!


- Há algumas coisas que eu nunca vi no Brasil. Por exemplo, "as meninas" aqui de casa têm alergia a pólen. Toda primavera e parte do Outono têm que tomar cortizona e às vezes antibióticos. Ao cortar a grama elas têm que ficar dentro de casa e a grama molhada antes que elas possam ir ao quintal. Antigamente quando eu não sabia disso elas ficavam no quintal durante o corte e se coçavam o dia inteiro e a noite inteira. Reações alérgicas se seguiam e o veterinário tinha que ser chamado. Uma vez instruído sobre o problema agora, tomo muito cuidado com elas pois fica caro (por volta de 300 dólares) para ter o veterinário em casa e comprar o cortizona e anti-bióticos.

- Na Flórida há uma terrível praga de pulgas. Annabelle se passear na rua onde as casas são todas gramadas na frente, volta infestada de pulgas e dá um trabalho terrível para eliminar todas elas. Elas tomam o Trifexis que é um medicamento para o verme do coração (visto que aqui existe muitos lagos e mosquitos) e também serve para as pulgas. A cada 3 meses a grama do quintal é pulverizada com um veneno para pulgas então o quintal é seguro para elas. Mas os esquilos, que também têm pulgas as trazem de volta ao quintal depois que o efeito do veneno já passou. Por esse motivo meus cachorros brincam no quintal, nadam na piscina, correm etc mas não passeio mais com eles na rua por causa das pulgas. Uma alternativa seria "sprayar" veneno neles antes do passeio, mas o veneno deixa um cheiro forte e não me sinto à vontade passando veneno neles.



- Existe aqui o SPCA (Society for the Prevention of Cruelty to Animals) que é uma organização sem fins lucrativos que cuida de animais abandonados e também oferece tratamento médico a custos baixos. Annabelle e Dexter foram castrados lá e custou 40 dólares por cão. Eles são fantásticos mas é preciso marcar hora e esperar a longa lista de animais que precisam ser atendidos. Há também shelters (abrigos) particulares por todo lugar. Pessoas de bom coração e amantes de animais montam essas instituições e vivem de doações. Eu me voluntariei para trabalhar uma vez por semana em um desses abrigos perto de casa.

         Eu comprei o Dexter e a Annabelle pois sentia muita saudades da minha cadela Alinne que faleceu alguns meses antes de eu vir pra cá. Hoje penso diferente e talvez no futuro, só adote mesmo. Cães trazidos de abrigos têm um amor especial por aqueles que os resgatam e dão um lar. Infelizmente ainda existem pessoas que pegam filhotes pois são "bonitinhos" e depois que crescem os abandonam na rua mesmo ou dão para qualquer um que apareça. Talvez a evolução da sociedade e dos direitos mude isso no futuro, embora abandonar um cão na rua nos EUA é crime e leva à prisão. Que todos nós reflitamos e tenhamos consideração por estes animais especiais que foram colocados nessa terra simplesmente para nos trazer amor e companhia. Um abraço a todos! Au Au Au!

Minha gangue, Annabelle (preta e branca), Dexter (preto) e
Elsa a Boston Terrier.


            

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Oito anos depois...

          Outro dia eu completei 8 anos de EUA. Oito anos que eu saí do Brasil com a minha vida inteira em 3 malas para tentar a vida em outro país. Claro que se tratando de EUA a mudança não parece ser tão radical por motivos simples. Em primeiro lugar nós brasileiros conhecemos bem a cultura americana (ou achamos que conhecemos), aprendemos inglês na escola (ou pensávamos que aprendemos), assistimos aos filmes de Hollywood, ouvimos a Madonna, a Mariah, o Frank Sinatra e achamos que o resto vem fácil com adaptação, já que nós temos uma coisa na nossa cultura que nos faz versáteis, ou seja, nosso jogo de cintura e capacidade de nos adaptar a situações diversas. 

           Por isso, desde o começo do ano, fiquei pensando na minha trajetória até aqui que muitos consideram de tremendo sucesso, mas não sabem os buracos e montanhas que se encontram no caminho. Não tenho o que reclamar, ainda visto a situação do nosso querido Brasil. Nunca me arrependi, mas mudei da água para o vinho. É inevitável uma mudança. Aqueles que não conseguem mudar, voltam ao Brasil decepcionados e talvez rancorosos com os americanos e brasileiros que encontraram por aqui. A verdade é que tudo é muito difícil e vou explicar o por quê. 

           Uma coisa que aprendi nesse tempo que estou aqui é que nunca se deve desperdiçar a oportunidade de ver as pessoas que se ama. Não importa o quão complicada e corrida a vida seja. É preciso arrumar o tempo e o dinheiro. Diga eu, que em 6 anos só vi minha mãe 2 vezes e agora nunca mais poderei falar com ela pois ela faleceu e eu estava aqui, atarefado, atolado em trabalho, tentando arrumar um jeito de melhorar a vida para poder também, trazê-la para cá. Fui traído pelo destino, pelo imprevisto, pela inexperiência. Hoje, sempre que puder, verei as pessoas amadas e falarei a elas o quanto eu as amo, pois um dia pode ser tarde demais. 

             Quando se deixa o país onde se vive, não se deixa somente a família, os amigos, o emprego, a casa, a cidade, os colegas etc. Uma parte de você morre e você nunca mais vai conseguir recuperá-la, pois tudo aquilo que fazia de você quem você era, mudou e mesmo que volte ao país, aquelas coisas que tinha não terá mais. É uma saudade de um tempo que não vai voltar. É uma saudade de quando você vivia lá e era feliz e não se importava com o crime, com a violência, com a alta dos preços e com a poluição. Você saía com amigos, fazia muitos outros, fazia muitas coisas, com pouco dinheiro e se divertia. Coisas simples como uma pizza na casa do vizinho e um filme de video cassete era algo maravilhoso. E se o amigo fosse embora, no outro dia podia-se fazer outros inúmeros amigos pois as regras das relações humanas estavam já dentro de você. Aqui é diferente. 

            Em primeiro lugar os americanos são um povo reservado. Seus amigos são seus familiares e aqueles que eram amigos de infância ou aqueles que fizeram na escola ou na faculdade. Depois é muito difícil desenvolver relações achegadas com outras pessoas. Todo mundo é muito educado, prestativo, mas há uma linha que você não deve ultrapassar. Em 8 anos, converso com meus vizinhos afinal morei aqui na casa de americanos e depois que eles se foram eu comprei a casa deles. Mas nunca fui convidado para se quer entrar para tomar um café na casa do vizinho. Por mais simpático que eu seja, não é rudez deles, é simplesmente o jeito que eles vivem. 

            E depois de tantos anos também não conseguiria mais viver no Brasil pois não me adaptaria à loucura em que vivia anteriormente. Aqui a vida passa mais devagar. Às seis horas da tarde as pessoas já estão em casa e passam o tempo com a família. Os finais de semana são longos e muitas lojas não abrem aos domingos. Muitos supermercados fecham às nove horas da noite. O tempo custa dinheiro e o tempo pessoal é muito valorizado. 

           Pode parecer que eu esteja reclamando mais não estou não. É somente uma outra realidade completamente diferente daquela que se vive no Brasil e tem seus lados bons e ruins. Há coisas que não funcionam, cometem-se erros em todos os setores da sociedade, mas há um certo respeito e medo das autoridades e a maioria das pessoas cumpre a lei e respeita o próximo. 

            A vida é confortável. Tem-se ar condicionado e aquecimento. Os carros custam barato e o combustível também. O dinheiro dá bem para comprar as coisas que se precisa e trabalhando-se bastante até sobra. Há um certo ar de querer ser o melhor em tudo. O melhor biscoito, o melhor detergente de lavar roupas, o melhor tênis, o melhor tudo. E nessa guerra de quem é o melhor e mais barato quem ganha somos nós, sempre. E se reclamar de alguma coisa, é ouvido todas as vezes e atitudes são tomadas para que você fique contente. 

              Colocando na balança, foi a decisão certa para mim. Eu sempre quis ter uma experiência de viver no exterior e só não digo que nunca voltarei ao Brasil porque tenho medo de que, quando se fala isso, se pague com a língua. Eu não tenho certeza se o fato de eu achar que o Brasil tem a melhor comida do mundo é o fato de eu ter crecido comendo aquelas coisas e também com respeito a muitos outros pontos que eu acho positivo com respeito ao nosso país e nossa gente. É claro que vejo os defeitos também pois os defeitos do nosso país e da nossa gente deixam marcas e cicatrizes em qualquer brasileiro. Mas tem-se esse amor por aquilo que te criou, onde você nasceu, pelas pessoas que falam a mesma língua que você. 

            Eu nunca serei americano. Eu nunca vou chorar quando a bandeira americana é asteada e canta-se o hino do país. Não me vem essa sensação. Acho que nunca vou sentir que esse é o meu país, pois a gente sai do Brasil mas o Brasil não sai da gente e não deve sair mesmo. Há estudos que mostram que alguns livros só tocam o coração na língua materna. Somente a língua materna pode te dar certas sensações e por mais que você queira, rir mesmo com vontade até chorar, só vai ser de piadas e situações referentes àquilo que você conhece pois tem um mundo de contexto inserido nisso. Por esse motivo muitos seriados de comédia americanos não fazem o menor sentido e não se consegue segurar o riso quando se assiste o Agostinho de A Grande família ou ao filme O Alto da Compadecida. Como explicar a um americano o sotaque e a forma diferente de o Nordestino se expressar e pronunciar algumas palavras erradas que é tão engraçado, bonito e inocente? Como é que ele um dia verá a beleza disso? Por isso o casamento entre pessoas de nações diferentes é um grande desafio...

             Em nenhum momento até hoje me arrependi de vir morar em outro país. Sinto sim falta das coisas do Brasil. Nem sei quem canta lá mais, os atores, atrizes, músicas, novelas, comédias, etc porque nem tenho TV brasileira. Já fiz outros amigos (muitos amigos, perto e longe), mantenho perto os que ainda cultivam a nossa amizade, aperfeiçoei o paladar, a leitura, os costumes, a rotina. Mas sempre terei saudades do Brasil e se puder, quero visitar mais vezes e conhecer coisas que não conheci quando vivia lá. A melhor coisa no momento é não ter certeza de nada. Não ter nada escrito na pedra e nenhum plano estabelecido para um longo prazo. Deixar a vida me levar, assim como disse o cantor. 

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

A Comunidade Brasileira de Orlando

   


           Segundo a prefeitura da cidade de Orlando, a comunidade brasileira na cidade conta com aproximadamente 30 mil brasileiros. Pessoalmente acredito que este número seja muito maior, senão o dobro pois não sei se a prefeitura conta também os indocumentados. Há brasileiros de todos os tipos, assim como se vê no Brasil. Há boas pessoas, trabalhadoras, confiáveis que podem se tornar verdadeiros amigos. Há também pessoas que é melhor manter muita distância.

             Poderíamos dividir a comunidade brasileira em Orlando em 2 grupos distintos: Os que estão legalmente no país, mesmo que com visto de estudante e os indocumentados ou chamados de "sem status", ilegais. Porém de nada adianta dividir a comunidade assim pois há ilegais que são pessoas boníssimas, de extrema confiança e "documentados" que são verdadeiros bandidos. Dentro dessa divisão legal/ilegal há todo tipo de indivíduo, portanto não há uma divisão que poderíamos fazer neste sentido. 

             Como Encontrar a Comunidade Brasileira?

          A comunidade brasileira é facilmente encontrada em vários pontos da cidade bem como nas redes sociais. No Facebook, instagram e Youtube há diversos brasileiros e grupos de brasileiros. Alguns deles inclusive prestam ajuda comunitária a outros brasileiros. Irei citar alguns grupos, mas com certeza deve haver perto de 3 dezenas deles:

Facebook








          Estes são alguns que eu tenho na minha página do Facebook. Me lembro de ter deletado alguns outros por isso acredito que o número deles já deva ter passado de 30 grupos. Nestes grupos há troca de informações, mercadorias, serviços, etc. No entanto não se pode ir fazendo qualquer pergunta muito básica que vem uma chuva de críticas. Por exemplo, se alguém perguntar: "Visto de estudante dá direito a Green Caaaard?" alguns dos integrantes do grupo se aborrecem e não têm papas na língua. Talvez o mínimo que alguém vá escutar é "vá pesquisar antes de perguntar besteira". Afinal é muita ingenuidade achar que se fosse assim, porque os EUA teriam 13 milhões de imigrantes ilegais?

Comércio

          A comunidade brasileira pode também ser encontrada no comércio. Há vários comércios de brasileiros espalhados pela cidade. E há indivíduos que fazem qualquer coisa para ganhar um trocado, talvez não aquilo que você pensou :-). Eu não irei alistar o comércio brasileiro em Orlando pois estes são facilmente encontrados em uma pesquisa rápida no Google. Há também dezenas deles e o mais novo e mais comentado da cidade é a rede Seabra (que é portuguesa) e me disseram que o supermercado é muito bom. Geralmente os supermercados pequenos da cidade não costumam ser muito limpos e apresentáveis, mas lá você encontra muitos dos produtos que usa no Brasil. 



Jornais e Revistas

           Há diversos jornais e revistas da comunidade brasileira em Orlando. Neles encontramos anúncios de comerciantes, resturantes, lojas de carros, serviços como corretores, contadores, advogados, dentistas e muitos outros. No Facebook eles são muito populares. Não espere um português de jornalista pois muitos desses veículos de comunicação são escritos por pessoas que vivem há muitos anos nos EUA e perderam muito da língua portuguesa assim como eu que vira e mexe escrevo alguma coisa errada aqui no blog. Aqui vão alguns:



             
- Facebrasil

            Há diversas outras revistas e jornais bem como blogs de diversos brasileiros. Mais uma vez uma pesquisa no google pode levar a encontrar todos eles. Há muita informação e material disponível para aqueles que vêm passear ou mesmo morar em Orlando. 


Canais do Youtube

            Muitas pessoas me perguntam porque é que eu não tenho um canal do Youtube. Em primeiro lugar por falta de tempo. Eu sou corretor e tenho a minha empresa de Design de Interiores em Orlando. Além disso uma casa e 3 cachorros para cuidar sem contar o blog que me toma bastante tempo. Só para se ter uma ideia, mais de 1000 emails por mês são adicionados à minha caixa de entrada somente do blog, sem contar os outros referentes às minhas duas atividades de trabalho. Eu poderia também dizer que não tenho tempo para aprender sobre as tecnologias para fazer e editar vídeos e nem mesmo energias para lidar com comentários e críticas que vêm desse tipo de mídia. Infelizmente, atrás de uma tela de computador as pessoas tendem a mostrar quem realmente são e não é fácil lidar com esse tipo de coisa, especialmente eu que tenho uma personalidade sensível para brigas. Na era do "politicamente correto" não se pode dizer o que pensa, não se pode fazer comentário ou dar a sua opinião sobre praticamente nada sem receber pesadas críticas.

          Atualmente eu acredito que o Realidade Americana, o Canal Perguntas do Paulo Paternes e o 78 Centavos do Rodrigo são os canais mais assistidos pelos brasileiros mas existem muitos outros para assistir. 



Amizades

           Para aqueles que vêm morar na cidade, legal ou ilegalmente não importa, há um período de adaptação muito difícil. Depois da excitação da mudança, de enfrentar o novo, de ter inúmeras expectativas positivas, uma "Outra Orlando" e um "Outro EUA" começam a se mostrar. A pessoa começa a enxergar coisas que não via quando vinha à passeio e a realidade de vida do dia a dia se faz presente e nem sempre é muito agradável. Neste momento ter amigos é primordial mas é preciso ter cautela. Há muitos brasileiros esperando uma oportunidade para levar vantagem em cima de alguém ou de uma família que acabou de se mudar e trouxe muitos dólares para realizar o sonho de viver nos EUA. Há uma expectativa de quem vem de receber ajuda da comunidade brasileira em Orlando. Isso não é bom pois o indivíduo pode não receber ajuda nenhuma ou pode, nunca se sabe. No entanto é preciso tomar muito cuidado com "sociedades" que quase sempre dão errado, "negócios de oportunidade" oferecidos por brasileiros, serviços, etc. Há muita gente desonesta e "amigos interesseiros" e isso ocorre tanto aqui como no Brasil. A diferença é que no Brasil a pessoa sabe os esquemas, as leis e como se defender. Alguém que acaba de se mudar não sabe essas coisas e pode facilmente cair vítima desses aproveitadores. Principalmente aqueles que fazem o mesmo serviço pela metade do preço. Muito calma nessa hora. Porém, com um bom filtro é possível encontrar pessoas boas para fazer parte da sua família em Orlando. Afinal, amigos são a família que a gente escolhe. 

Brigas e Desentendimentos

          Brigas e desentendimentos por membros da comunidade brasileira em Orlando são muito comuns. Nos grupos do Facebook sai cada arranca-rabo que, como disse minha amiga Alexandra Santine, eles deviam ser estudados. E como a comunidade é pequena, é como se fosse uma cidade do interior, as notícias se espalham rapidamente. É comum ficar sabendo de brigas em churrascos, festas, lojas e também "online". Fique longe de pessoas problemáticas e que se desentendem com tudo e com todos. Prefira ir aos poucos adquirindo amizades com pessoas de bem. É difícil para nós brasileiros pois conhecemos alguém e já vamos convidando a pessoa para ir à nossa casa. Americanos neste sentido são muito mais conservados. É comum viver uma década em uma mesma casa e nunca ter sido convidado para entrar na casa do vizinho. Embora o vizinho americano geralmente respeita muito os limites do que se pode ou não fazer para não incomodar os vizinhos. Coisas que nós brasileiros ainda temos muito o que aprender. 

Emprego

          Para aqueles que pensam em mudar para os EUA e adquirir um emprego "informal" a única opção no começo é mesmo procurar entre a comunidade brasileira. Os salários são baixos e o trabalho é muito por causa mesmo da natureza da contratação. É lógico que para os comerciantes é financeiramente melhor contratar alguém sem documentos. E para quem não tem documentos e não fala direito a língua, não há outra saída a não ser trabalhar com eles. Parece uma situação uma-mão-lava-a-outra mas tenho a impressão que quem sai mais limpo nessa história são os contratadores. Nos restaurantes, padarias, revistas, etc há sempre anúncios de empregadores precisando de mão de obra. É só ir no comércio brasileiro e procurar por tais anúncios. Geralmente se encontra trabalho na mesma semana. Lembrando que eu não estou incentivando o emprego informal embora é inevitável que ele aconteça. O melhor mesmo é o indivíduo planejar a mudança, vir estudar inglês, depois a faculdade e passar pelos processos legais de imigração, ainda mais agora que teremos um presidente que, pelo que parece, vai olhar de perto essa questão da imigração ilegal. 



O que esperar da comunidade brasileira em Orlando?

          Essa é a minha opinião. Quando eu vim aos EUA eu não esperava nada de ninguém pois, há quase 10 anos, não havia blogs, revistas, etc como existe hoje. Sempre pensei em me virar sozinho e encontrar as maneiras de sustentar e fazer a faculdade. Mas percebo que muitos se decepcionam pois esperam ajuda da comunidade e logo percebem que, as pessoas são desconfiadas e não tem desejo de ajudar qualquer um que chega e precisa disso ou daquilo, a não ser que deseje pagar pela ajuda. Muitas pessoas querem "consultoria" de graça. Passar duas horas no Skype te perguntando mil coisas pois é mais fácil que pesquisar. Mas se pedir 20 dólares para a consultoria logo o interesse desaparece. No meu caso que tenho dezenas de pessoas querendo "bater um papo" por skype toda semana, é simplesmente impossível e é por isso mesmo que escrevi o blog. Para colocar informações pertinentes sobre os EUA.

           Quando se vive aqui e se tem contato com a comunidade brasileira, sente-se que, de alguma maneira não perdemos um pouco da nossa própria identidade. É muito bom ter amigos para conversar em português, contar piadas e histórias, saborear da comida que estamos acostumados e passar tempo com verdadeiros amigos. Como não temos família vivendo aqui, cuidamos uns dos outros e ter esse apoio é fundamental. No entanto é preciso ir com calma e escolher bem os amigos para que não fiquemos tão decepcionados que começamos a culpar os EUA por isso e aquilo. É comum ver brasileiros reclamando de tudo por aqui. Na minha opinião e eu sempre digo isso às pessoas, "alguns só irão dar valor aos EUA quando estiverem de volta ao Brasil" 


segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Como Funciona o Date nos EUA?


Para quem não é nascido neste país, o "date", a forma como os americanos cortejam é algo meio confuso. Vê-se nos filmes fulano vai convidar a fulana para um "date". "Did you ask her on a date yet?"(já convidou ela para um date?). Ou, "first you have to ask me on a date baby" (essa frase é clássica s significa, antes "daquilo" tem que me convidar para um date, pode ser um jantar). Mas o que é realmente o date e qual a diferença do date ou simplesmente sair?

Date pode significar sair com a pessoa que se tem interesse romântico por uma, duas ou mais vezes. Quando se diz que alguém está "dating" pode significar que a pessoa está namorando. Eu tenho dificuldade de saber se o dating é namorando ou "se encontrando" e os americanos também. Fazendo uma pesquisa na qual eu li 6 artigos percebi que não sou só eu. Até os americanos não sabem muito a diferença e os "experts" dão as pistas. Por exemplo, se alguém receber flores, é claro que é um date. Se a pessoa vem te buscar em casa e abre a porta do carro, é um date também (no caso dos homens convidando).



Algumas coisas são óbvias e muito parecidas. Em um primeiro date, é claro, não se vai desarrumado, sem tomar banho, não se fala dos "exs" (ex-marido, ex-namorado, ex-emprego), de política, de religião, etc e principalmente de doenças.  Eu fui a um date onde o rapaz me disse que a mochila que carregava continha os medicamentos que ele tomava diariamente, inclusive instruções caso ele tivesse um súbito ataque epilético, sem mencionar o cabelo ensebado, a barba suja, dentes e dedos manchados de nicotina e o fato de ele viver com a ex transgender do falecido marido. Muito complicado pra mim, que nem sequer entendi se a transgender do falecido era mulher que virou homem ou o contrário. Quase todo mundo tem um caso de date do inferno para contar. 


Quando alguém conhece outra pessoa e se interessa por ela, depois de alguns "clues" (insights, pistas) geralmente quem está interessado pede a pessoa em um date (ask on a date). O date pode ser um jantar, uma caminhada no parque, basicamente é um encontro onde as pessoas irão se conhecer. Famosos hoje estão os websites de "online dating" onde a pessoa faz um perfil e sai para conhecer outros com o objetivo de encontrar a pessoa para namorar e casar. 



Nos EUA o date é coisa séria, mas a juventude já se encarregou de estragar um pouco, informalizando bastante o processo. Hoje alguns definem conhecer e transar no primeiro dia como date, embora a melhor palavra para isso seja "hook-up". Mas para quem é romântico, pelo menos um pouco, o "date" é algo bem esperado. Após o primeiro date, quem convidou é quem toma a iniciativa de convidar para um segundo 
date. O convidado tem que deixar claro no final do primeiro date que gostou muito do encontro. Essa é a "deixa" que quem convidou espera para convidar para o segundo date. Se quem convidou para o primeiro date não ligar e não convidar para o segundo date daí quem convidou não gostou e provavelmente o segundo, terceiro, etc até o namoro não irão acontecer. Se conforme!! O melhor a fazer é partir para outra. Se humilhar e correr atrás da pessoa só tem o efeito contrário, mostra falta de amor próprio e quem trata disso é psicólogo. E quando é que passa de date para namoro? 



Em primeiro lugar a palavra usada para namorando é "dating", por isso a confusão. Depois de 10 dates, já está namorando ou não? Ninguém sabe, é preciso prestar atenção a algumas coisas. Diferente de nós brasileiros, alguém só apresenta a família e amigos para a pessoa a quem se está dating, quando o negócio ficou sério. Geralmente quando se apresenta à família, daí virou namoro. Se alguém que você foi a vários dates diz que quer te apresentar para a família, vá mas sem nenhuma pressão. Talvez ele ou ela te apresente como "namorado(a)" ou não, mas neste ponto, todo mundo já sabe quem você é, pode ter certeza. De acordo com o feedback da família, na maioria das vezes a "coisa" avança ou termina alí mesmo! 



Em algum ponto vai surgir a conversa sobre namoro, monogamia, etc. Se a conversa for aberta, essas coisas podem ser decididas e talvez as pessoas decidam já dizer a todos que têm um namorado ou namorada. Mas antes de oficializado o namoro, é preciso passar pelos 
dates. Alguns se perguntam o que fazer e o que não fazer em um date. Eu nem devia falar pois isso deveria ser senso comum, mas entre os americanos aqui vão as estatísticas:

- Beber mais que 1-2 drinks é "faux pass", ou seja erro clássico (ficar embriagado no primeiro date é o fim para 72% dos entrevistados)

- Higiêne, cigarro e peso são os obstáculos para os homens convidar para um segundo date. Para as mulheres é higiêne, cigarro e bebida.

- Para a maioria dos entrevistados, ter bom humor é a qualidade mais atraente (porém saiba que palhaços não são levados a sério)

- Quem convida deve estar preparado para pagar, quem é convidado deve estar preparado para dividir. Se não tem dinheiro diga já na hora do convite e talvez seja melhor ficar em casa. Se a pessoa te disser "we go on dutch" - vamos tipo dutch, significa que cada um vai pagar a sua. 

Alguns outros fatores que impedem um segundo date são o fato de alguém ainda morar com os pais depois dos 25, desemprego, fumo, animais de estimação exóticos como cobras e lagartos, má vestimenta, maus hábitos sobre a mesa (aquilo né? Comer de boca aberta, usar palitos de dente, etc), entre outros. 



A Arte do cortejo e namoro existe desde que o mundo é mundo. A sociedade está muito diferente mas há ainda aqueles que acreditam em dates, namoro sério e casamento de Cinderela e após o casamento, morar no castelo da Cinderela e serem felizes para sempre. Em primeiro lugar o castelo não é da Cinderela, é o do Principe e provavelmente se fosse hoje, ele pediria para fazer um "marriage agreement" onde seria estipulado que a Cinderela não vai ser dona de 50% do que ele tem, nada romântico por sinal.

Uma brasileira chegou pra mim e disse que achava que o cara que chamou ela para um date era gay pois não quis ir pra cama com ela naquela noite (dã?). Se ele convidou para um date é porque ele provavelmente é sério e não vai acontecer até talvez o terceiro ou quarto date, eu disse pra ela. Alguns americanos jovens só querem ter relações sexuais após o casamento, mesmo não sendo religiosos - ainda existe isso aqui.

Talvez a minha mente mais "careta" tenha a percepção de que um homem não vá querer casar com uma mulher que já no primeiro encontro vai para cama com ele. Talvez ele pense que ela seja fácil ou mesmo que faz o mesmo com todos. Infelizmente a mulher que sai com muitos homens é mau vista enquanto para o homem é diferente - vivemos em uma sociedade machista, é verdade. Uma coisa é certa, a natureza humana não muda e não mudou em 6 mil anos. Há uma certa magia na conquista. Tanto homens como mulheres gostam de achar que o companheiro ou companheira é especial. Os "dates" vão deixar isso bem claro.

Última dica: Se quiser "estragar" com o date é só ficar no telefone celular na maior parte do tempo. ;-)


E você? Tem uma história engraçada ou terrível de um date para compartilhar com a gente? :-D

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

A Vitória de Donald Trump

       

         Quem lê o blog sabe a minha opinião sobre a composição do atual partido democrata e sua candidata à presidência Hillary Clinton. No entanto isso é a minha opinião. Eu respeito a opinião dos outros e não ataco ninguém que pensa de modo diferente, porém, essa eleição mostrou-se mais que simplesmente uma briga entre candidatos e partidos. Infelizmente a mídia internacional, completamente comprada, falhou em cobrir as eleições de modo imparcial e concentrou-se simplesmente em atacar um candidato e torcer por outro. Somente este fato, para quem tem um maior escrutínio, pareceu muito estranho. 

          Pense que todas as pesquisas internacionais e mesmo nos EUA anunciavam uma vitória fácil de Hillary Clinton. A cada debate, a mídia anunciava vitória da candidata, como se fosse fácil indicar quem venceu um debate e não tenho a mínima ideia de como faziam isso. Jornais pelos EUA, no Brasil e no mundo já davam a vitória ganha da candidata baseada em pesquisas sérias. Como é que o resultado foi totalmente o contrário? Como pôde alguém de fora do "estabelecimento" que supostamente é xenofóbico, machista, racista, pedófilo, estuprador, molestador, arrogante, ladrão, criminoso, mentiroso e mais uma lista de outros nomes, ganhar as eleições presidenciais americanas sem receber de ninguém apoio financeiro e ter, do lado contrário, o mundo inteiro torcendo para a outra candidata? Percebe que a história não está bem contada?



          Para quem vive no Brasil Donald Trump foi "pintado" como, no mínimo, louco desvairado e a candidata Hillary como a Messias do povo oprimido. Aqui nos EUA as opiniões estavam divididas pois Hillary está envolvida em muitos escândalos sérios e já mostrou estar acima da lei quando se trata de pagar por crimes cometidos. No entanto, em quase todas as estações de Tvs e jornais, a vitória estava ganha. As pesquisas mostravam, vai ser uma barbada. No dia a dia porém as coisas eram um pouco diferentes. Muitas pessoas comuns, em conversas do dia a dia mostravam o quão insatisfeitas estavam com o rumo em que o país está. Mas isso a TV jamais mostrava. 

No final, ele tinha razão, a mídia foi desonesta
          Chegou a um ponto triste em que, nem os Trumpistas se importavam com o comportamento do candidato e das acusações à Hillary e os Hillaristas não se importavam sequer se as acusações eram verdadeiras. Infelizmente, para o partido democrata, sua candidata não conseguiu esconder todos os escândalos em que estava envolvida. Financiadores de sua campanha são compostos de países que escondem e exportam terroristas, países que "odeiam" os americanos, bancos internacionais, fundações, etc. No final, os americanos perceberam que ela estava de "rabo preso" com gente perigosa. Mentiras e acusações de enriquecimento através da fundação Clinton (que recebeu centenas de milhões de dólares e que realmente passou para caridade, menos de 10 milhões) mostram que a história da Hillary está longe de terminar. Agora o FBI está investigando a fundação e não precisa mais temer retaliação do presidente Obama que a uma hora destas deve estar empacotando a mudança. Esperamos que, ao contrário de Hillary e Bill, não levem consigo obras de arte e mobília da casa branca que pertencem ao povo americano. 

Há uma desconexão entre o que Hillary diz pensar sobre países
que abrigam terroristas, oprimem a população e maltratam as
mulheres e o dinheiro que ela aceitou dos mesmos países.
Isso com certeza não foi divulgado no Brasil.
Já parou para pensar por quê?

          E quanto ao Donald Trump? Algumas coisas eu realmente acredito que ele seja, entre elas, arrogante. Por outro lado acho improvável uma pessoa ser de uma só vez tudo o que a mídia e o Facebook dizem que ele é. Por falar em Facebook, muito mais estranho era a censura que fazia a posts expondo a candidata Hillary. Não é tudo muito estranho? Parece um complô mundial à favor da candidata e sabemos que, tudo o que em geral o mundo apóia, o movimento de manipulação das massas, tem um só objetivo que não é o interesse das massas. Voltando ao Trump, além de achar que não é possível uma pessoa ser tudo aquilo sem ter sofrido sequer uma consequência por 7 décadas (ele tem quase 70 anos) faz-me pensar no por quê o "estabelecimento" não o quer no governo. Além do fato de muitas propagandas mostrarem coisas que ele disse há mais de 20 anos. Ainda bem que ninguém deve lembrar das coisas que eu pensava e falava há vinte anos. 


          Assistindo aos debates, se você não conseguir detectar mentiras no discurso de Hillary, significa que você não está bem informado sobre a política atual, a situação do governo e da economia americana e muito menos sobre quem é Hillary Clinton. Só para exemplificar algo simples, ela disse no seu penúltimo discurso que as pessoas teriam faculdade de graça, plano de saúde e muitos outros benefícios sem adicionar "um centavo" à dívida atual de 20 trilhões de dólares! Impossível...Prometeu uma reforma imigratória nos primeiros 100 dias de governo, coisa que o Obama também prometeu e não cumpriu. O povo não caiu novamente na mesma mentira. 

           O Vice de Hillary disse na TV que Trump vai deportar os 13 milhões de imigrantes ilegais no país. Ora bolas, qualquer pessoa inteligente sabe que isso é matematicamente, monetariamente e logisticamente impossível de se fazer. Mas porque ele disse isso? Porque as pessoas mais simples simplesmente acreditariam. Sem mencionar que o governo Obama foi o que mais deportou na história dos EUA. Em oito ano, quase 3 milhões de pessoas. 

O mesmo presidente que disse em 2012 "Hillary dirá qualquer coisa e mudará
nada" usou o dinheiro dos impostos de TODOS os americanos para viajar e fazer
comícios à favor de Hillary Clinton.
            No final das contas, mesmo para mim que não sou fã de Donald Trump e nem mesmo posso votar ainda, essa história toda mostrou ser um grande complô. Alianças de gente perigosa com agenda oculta e interesses pessoais acima dos interesses dos maiores interessados em tudo isso, a saber, a maioria da população americana que são, atualmente quem pagam os impostos que esse governo atual tem distrubuído a torto e à direita, bilhões de dólares a países que odeiam os americanos sem levar em conta que há pobres, miseráveis e veteranos precisando de assistência, aqui mesmo nos EUA. O povo americano está cansado dos políticos, das mentiras e das promessas. Algo tinha que ser feito. 

Enquanto vítimas do Katrina até hoje estão sem assistência, os EUA enviou
no governo Obama 35 bilhões de dólares de ajuda humanitária a 140 países
http://mondoweiss.net/2015/11/spends-billion-foreign/

          Mesmo que alguém não tome partido algum nessa corrida, foi um momento histórico a se observar. Como estão dizendo os comentaristas e repórteres, algo que nunca se viu na história dos EUA. Um "outsider" entrou na disputa com dinheiro próprio e venceu, mesmo tendo o mundo como oposição e ao seu lado, o povo americano que decidiu tentar dar um voto de confiança a alguém que não tem carreira política. Alguém que, sem medo nenhum, apontou o dedo para o presidente e sua candidata que deletou 33 mil emails "pessoais" e inofensivos (segundo ela) quando estes, eram provas de uma investigação do FBI. E porque então deletou e mandou uma empresa "esterilizar" o servidor encontrado no porão de sua residência? 



     E o maior derrotado neste processo foi, sem dúvida nenhuma, a mídia internacional e os veículos de informação que tentaram de todas as maneiras enganar a população movidos por interesses próprios que, em suma, não eram os interesses do povo americano. O povo foi às urnas como nunca antes e votaram, muitos não em Donald Trump, mas anti-Hillary, anti-mentira, anti-fronteiras abertas e distruibuição do dinheiro deles sem discriminação à órgãos e países que sequer gostam dos americanos. A despeito de todas as chances, votou no novo, na esperança de uma mudança do curso atual. Por este motivo, essa corrida que presenciamos não se tratou somente de uma mera eleição, mas sim de uma revolução. 

Com uma simples frase, o candidato, ao contrário de tudo e de todos se
tornou presidente dos Estados Unidos da América.
Minha esperança é que ele surpreenda a todos, sem excessão e seja
um ótimo presidente para esta nação. Só o tempo dirá...


Para saber mais sobre o movimento Hillary e Obama assita ao filme Hillary's America. 



Assista também ao filme que o governo tentou abafar como pôde chamado 13 Hours



      
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...